Ilegalismos: questões de pesquisa

Profa. Dra. Vera da Silva Telles

Objetivos

O curso irá se centrar nos deslocamentos das fronteiras – legais, sociais e morais – suscitadas pelas redefinições globais dos mercados e pela circulação ampliada de populações, bens e riquezas. É nesse plano que se colocam as questões hoje em debate sobre, de um lado, os circuitos globalizados dos mercados informais e ilegais e, de outro, as migrações transnacionais e o crescimento explosivo de populações deslocadas, em suas múltiplas figurações. No entrecruzamento desses fenômenos circunscreve-se um hoje florescente campo de debates sobre as relações hoje redefinidas entre o legal e o ilegal, entre a norma estatal-legal e códigos informais de gestão da ordem, de conflitos e fricções sociais suscitadas em um mundo social convulsionado pela escala e velocidade com que os acontecimentos se sucedem. Esses fenômenos deslocam, redefinem e colocam em questão justamente as fronteiras legais e sociais, bem como os modos estabelecidos de gestão da ordem, gestão dos conflitos e das fricções suscitadas por esses fenômenos. Em torno dessas questões, as pesquisas são inúmeras e vem se multiplicando nas ultimas décadas. Será nosso objetivo trabalhar parte essa literatura, buscando problematizar as questões em pauta em torno dos temas tratados.

***

Nos últimos anos, vem se multiplicando pesquisas que tratam de praticas que transitam entre o legal e ilegal, seja no registro dos mercados informais hoje redefinidos pelos circuitos globais em torno dos quais se estruturam; seja no registro dos mercados ilegais (drogas, mas não apenas) e seus entrelaçamentos em dinâmicas urbanas, também elas redefinidas; seja finalmente no registro das migrações transnacionais e populações deslocadas que transbordam fronteiras legais do Estados-nação, bem como as regulações internas aos países em que se alojam, temporariamente ou não. Nas várias situações e configurações urbanas em que esses fenômenos se constelam, estão em pauta questões que desafiam os sentidos das leis, direitos e normas sociais, bem como as formas estatais e não-estatais, formais e não-formais de gestão da ordem, dos conflitos e fricções sociais suscitadas por esses fenômenos. Leis em disputa, fronteiras em disputa: é a hipótese com a qual se pretende trabalhar no correr desse curso.

Programa

I – Parâmetros teóricos, referências histórias:

  • Estado e a produção das suas margens
  • O Estado face aos ilegalismos: referências históricas
  • Ilegalismos: precisões teóricas, precisões históricas

II – Os ilegalismos na globalização: trabalho, mercado, migrações

  • Mercados informais e a chamada “mundialização por baixo”
  • Os mercados de bens ilícitos e os circuitos globais
  • Migrações transnacionais, populações deslocadas
  • Fronteiras redefinidas: controle e gestão das populações nos circuitos globais.

III. A cidade nas fronteiras do legal e legal: pesquisas, etnografias – perspectivas comparativas

  • mercados informais, conflitos e agenciamentos locais: deslocando as fronteiras, em disputa, do formal e informal
  • tráficos ilícitos, tramas urbanas e “economia moral” inscrita nas práticas sócio-urbanas
  • populações circulantes, “refugiados urbanos”: sociabilidades e cartografias politicas em construção.

 

Bibliografia geral

Parte I

ACOSTA, Fernando. Os ilegalismos privilegiados. Antropolitica, n. 16, p. 1–40, 2004.

BAYART, Jean François. 2004. “Le crime transnational et la formation de l’État.”Politique Africaine 93: 93-104.

DAS, Veena; POOLE, Verena (orgs.). Anthropology in the margins of the state. Santa Fe: School of American Research Press, 2004.

DAS, Veena. The signature of de State: the paradox of illegibility. In: DAS, VEENA; POOLE, DEBORAH (orgs). Anthropology in the margins of the state. Santa Fe: School of American Research Press, 2004. p. 225–252.

FERGUSON, James; GUPTA, Akhil. Spatializing states: toward an ethnography of neoliberal governmentality. American ethnologist, v. 29, n. 4, p. 981–1002, 2002.

FISCHER, Nicolas; SPIRE, Alexis. L’État face aux illégalismes. Politix, v. 87, n. 3, p. 7–20, 2009.

FOUCAULT, Michel. La societé punitive. Cours au Collège de France, 1972-1973. Paris: Gallimard, 2013

HEYMAN, J. (ED.). States and illegal practices.   Berg Editorial, 1999. p. 240–241

HEYMAN, J McC; CAMPBELL, H. The anthropology of global flows: A critical reading of Appadurai’s Disjuncture and Difference in the Global Cultural Economy”. v. 9, n. 2, p. 131–148, 12 jun. 2009.

HEYMAN, Josiah McC. The Study of Illegality and Legality: Which Way Forward? v. 36, n. 2, p. 304–307, 2013.

LASCOUMES, Pierre. L“illegalisme, outil d’analyse. Societé Representation, p. 78–84, 2011.

LEITZEL, Jim. States and Illegal Practices. Chicago: Berg Editorial, 2002. v. 108. p. 240–241

THOMAS, Kedron; GALEMBA, Rebecca B. Illegal Anthropology: An Introduction. PoLAR: Political and Legal Anthropology Review, v. 36, n. 2, p. 211–214, 28 out. 2013a.

TILLY, Charles. Coerção, capital e Estados europeus. São Paulo: Edusp, 1996.

TILLY, Charles. War Making and State Making as Organized Crime. In: EVENS, Peter; RUESCHEMEYER, Dietrich; SLOCPOL, Theda (Orgs.). Bringing the State Back. Cambridge: 1985, p. 1–10.

Parte II

ALBUQUERQUE, Jose Lindomar. Entre nações e legislações: algumas práticas de “legalidade” e ‘ilegalidade’ na tríplice fronteira amazônica (Brasil, Colômbia, Peru). Ambivalencias, Revista do Grupo de pesquisa Processos Identitários e Poder, v. 3, n. 5, p. 115–148, 2015.

BIGO, Didier. Frontières, territoire, sécurité, souveraineté. Ceriscope, p. 1–13, 2010.

FASSIN, Didier. Policing Borders,
Producing Boundaries.
The Governmentality of Immigration in Dark Time. Annual review of anthropology, v. 40, n. 1, p. 1–18, 21 out. 2011.

FERRADÁS, Carmen A. The Nature of Illegality Under Neoliberalism and Post-Neoliberalism. PoLAR: Political and Legal Anthropology Review, v. 36, n. 2, p. 266–273, 28 out. 2013.

GAZIT, Nir. Social Agency, Spatial Practices, and Power: The Micro-foundations of Fragmented Sovereignty in the Occupied Territories. v. 22, n. 1, p. 83–103, 21 mar. 2009.

JONES, Reece. Violent borders: refugees and the right to move. London: Verso, 2016.

MARTIGNONI, Martina; PAPADOPOULOS, Dimitris. Genealogies of autonomous mobility. In:. Routledge Handbook of Global Citizenship Studies. [S.l.]: Routledge, 2015. p. 1–12.

NAIL, Thomas. The figure of the migrant. Stanford: Stanford University Press, 2015.

PERALDI, Michel. Aventuras do novo capitalismo comercial: ensaio de antropologia e ética mercantil. In: PERALVA, Angelina; TELLES, Vera S. Ilegalismos na globalização: migrações, trabalho, mercados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015

SQUIRE, Vicki (Org.). The contestes politics of mobility. Borderzones and irregularity. London/NewYork: Routledge, 2011.

TARRIUS, Alain. « Migrants transnationaux et nouveaux réseaux criminels », Revue européenne des migrations internationales  : http://remi.revues.org/5151

TARRIUS, Alain. Etrangers de passage : La mondialisation entre pauvres. Paris: L’Aube, 2015.

TARRIUS, Alain. Économies criminelles et mondes urbains. Paris:PUF, 2007

VAN SCHENDEL, Willem; ABRAHAM, Ittly. Illicit flows and criminal thing: states, borders, and the other side of globalization. Bloomington: Indiana University Press, 2005.

Parte III

AGUIAR, Jose Carlos G. Smugglers, Fayuqueros, Pirata : Transitory Commodities and Illegality in the Trade of Pirated CDs in Mexico. PoLAR: Political and Legal Anthropology Review, v. 36, n. 2, p. 249–265, 28 out. 2013.

BARBOSA, Antonio Rafael; RENOLDI, Brigida; VERISSIMO, Marcos. (I)Legal: etnografias em uma fronteira difusa. Niteroi: Editora da UFF, 2013.

COSTA, Gustavo Villela Lima da; OLIVEIRA, Giovanni França. Esquemas de fronteira em Corumbá (MS): Negócios além do legal e do ilegal. Dilemas, Revista de Estudos de conflitos e controle social, v. 7, n. 2, p. 207–232, 15 abr. 2014.

CUNHA, Manuela Ivone P da. O bairro e a prisão : a erosão de uma fronteira. Minho: Celta, 2003.

DAS, Veena; ELLEN, Jonathan M; LEONARD, Lori. On the Modalities of the Domestic. Home Cultures, v. 5, n. 3, p. 349–371, 2008.

FELTRAN, Gabriel. Crime e castigo na cidade: os repertórios da justiça e a questão dos homicídios nas periferias de São Paulo. Cadernos CRH, v. 23, n. 58, p. 59–73, 2010a

FELTRAN, Gabriel. Margens da política, fronteiras da violencia: uma acao coletiva nas periferias de Sao Paulo. Lua Nova, v. 79, p. 201–233, 2010b

FREIRE, Carlos. Das calçadas às galerias: mercados populares do centro de São Paulo. 2014. Tese de Doutorado, FFLCH-USP, Sao Paulo, 2014.

GRILLO, Carolina C. O “morro” e a ‘pista’: Um estudo comparado de dinâmicas do comércio ilegal de drogas. Dilemas, Revista de Estudos de conflitos e controle social, v. 1, n. 1, p. 127–148, 2008b

GUEZ, Sabine. À la frontirère du légal et illégal: travail et narcotrafic à Ciudad Juarez (Mexique) et El Paso (États-Unis). Problèmes d’Amerique Latine, v. 66-67, p. 10–20, 2007.

GUEZ, Sabine. La frontière et au-delà. Une enquête ethnographique sur le narcotrafic à Ciudad Juárez (Mexique) et El Paso (Etats-Unis). Cultures & Conflits, n. 72, p. 13–29, 2009.

HEYMAN, Josiah McC. The Mexico-United States Borderin Anthropology:. Journal of Political Ecology, v. 1, p. 43, 1994.

HIRATA, Daniel Veloso. Segurança pública e fronteiras: apontamentos a partir Do “arco norte”. Ciência e Cultura, n. 67, p. 3034, 2015b.

KOKOREFF, Michel. L“économie de la drogue: des modes d”organisation aux espaces de trafic. Les annales de la recherche urbaine, v. 78, p. 114–123, 1997

KOKOREFF, Michel. Trafics de drogues et criminalité organisée : une relation complexe. Criminologie, v. 37, n. 2, p. 10–31, 2004

MALVASI, Paulo Artur. A `mente’ e o homicídio: a gestão da violência no tráfico de drogas em São Paulo. Dilemas, Revista de Estudos de conflitos e controle social, v. 6, n. 4, p. 675–698, 2013

MARTEL, Roxana. Pactos comunitários e proteção em San Salvador. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 22, n. 2, p. 17–38, 2010

MATTOS, Carla dos Santos. Uma etnografia da expansão do mundo do crime no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 31, n. 91, p. 01–15, jul. 2016

MISSE, Michel. [2002] 2006. “Rio como um bazar: a conversão da ilegalidade em mercadoria política.” In Crime e violência no Brasil Contemporâneo. Estudos de sociologia do crime e violência urbana. Rio de Janeiro: Lumen Juris. Pp. 179-228

MCC HEYMAN, Josiah. Risque et confiance dans le contrôle des frontières américaines. Politix, v. 87, n. 3, p. 21–46, 2009.

OLIVEIRA, Raphael Chiote de. O ilegal, o informal e o ilicito: uma nota inicial sobre influencias na territorialidade do trafico de drogas no Complexo da Maré. s/r, 2011.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. China-Paraguai-Brasil: uma rota para pensar a economia informal. v. 23, n. 67, p. 117–133, 2008.

PIRES, Lenin. Esculhamba, mas não esculacha: uma etnografia dos usos urbanos dos trens da Central do Brasil.   Niteroi: Editoria da UFF, 2016.

PITA, Maria Vitoria. Poder de policia e gestão dos territórios: caso dos ambulantes senegaleses na Cidade autônoma de Buenos Aires. In: AZAIS, Christian; KESSLER, Gabriel; TELLES, Vera S. Ilegalismos, cidade e politica. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

RABOSSI, Fernando. 2011. “Negociações, associações e monopólios: a política da rua em Ciudad del Este (Paraguai).” Etnográfica 15(1): 83-107.

ROITMAN, Janet. The Ethics of illegality in the Chad Basin. In: COMAROFF, JEAN; COMAROFF, JOHN (Ed.). Law and Disorder in the Postcolony. Chicago: The University of Chicago Press, 2006. p. 247–272.

ROY, Ananya. Civic Governmentality: The Politics of Inclusion in Beirut and Mumbai. Antipode, v. 41, n. 1, p. 159–179, 2009

ROY, Ananya. Slumdog cities: rethinking subaltern urbanism. International Journal of Urban and Regional Research, v. 35, n. 2, p. 223–238, 2011

TELLES, Vera S. Fronteiras da lei como campo de disputa. In: TELLES, Vera S; PERALVA, Angelina (Orgs.). Ilegalismos na globalização migração, trabalho, mercados. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015, p. 509–531.

TELLES, Vera da Silva e Daniel Veloso HIRATA. 2010. “Ilegalismos e jogos de poder em São Paulo.” Tempo Social, 22(2): 39-59.

TELLES, Vera da Silva. Nas dobras do legal e ilegal: ilegalismos e jogos de poder. Revista Dilemas, no. 5-6, 2009, pp. 97-126

 

 

 

 

 

 

Compartilhar com amigos
  • gplus
  • pinterest

Comentários

  1. Marcel Segalla
    08/01/2018 at 15:04

    Olá professora, me interessei por essa disciplina. Como devo proceder para participar dela sendo ex-aluno USP?

    • Vera Telles
      08/01/2018 at 19:39

      Prezado Narcel
      A disciplina não será oferecida este ano de 2018. De toda forma, em outra ocasião, se for seu interesse, basta se apresentar como ouvinte. Ou se matricular como aluno especial no período de matrícula. Tudo bastante simples.
      Saudações
      Vera

Postar um comentário