“Resistencia Seguida de Morte”: perfil e processamento institucional de BOs – São Paulo, 2012

CAAF – IV Reunião Aberta de Pesquisa – 10/10/2019

A partir de uma parceria entre o Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e a equipe do Projeto Temático FAPESP “A gestão do conflito na produção da cidade contemporânea: a experiência paulista”, este coletivo de pesquisa teve acesso aos boletins de ocorrência de todos os 316 casos registrados como “resistência seguida de morte” pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil, no município de São Paulo, no ano de 2012. Tais documentos geraram uma base de dados com informações sobre local e horário das ocorrências, perfil das vítimas letais e policiais envolvidos, quantidade e natureza de armas e outros objetos associados, além de narrativas sobre a dinâmica dos fatos e as primeiras providências tomadas pelas forças da ordem. Os processos judiciais de uma amostra aleatória e representativa dessas ocorrências foram mapeados e, quando possível, desarquivados e analisados, gerando dados sobre formas características de atuação, temporalidades próprias e resultados mais comuns da investigação policial, bem como do desempenho de outros agentes do sistema de justiça criminal, sobretudo a promotoria e a magistratura.

Equipe:

Carolina Grillo (UFF)

Rafael Godoi (Necvu-UFRJ)

Bruna Ramachiotti (doutoranda PPGS-USP)

Juliana Tonche (UFBA)

Paula Pagliari de Braud (graduanda Ciencias Sociais, USP)

Compartilhar com amigos
  • gplus
  • pinterest

Postar um comentário